Agroflorestação: Outro jeito de fazer agricultura no Semi-Arido

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Agrofloresta Urbana é desmatada e dá lugar à Estacionamento

Agrofloresta não precisa de lugares enormes para ser sustentável. Um quintal agroflorestal pode fornecer alimentos saudáveis e diversificados ao longo do ano. Além disso abriga e sustenta a vida em todos os sentidos. Os pássaros, principalmente são atraídos pelo sistema, ajudando no controle de insetos e outros invertebrados que apesar disso já estão em equilíbrio por causa da diversidade. O micro-clima criado pelo dossel estratificado ajuda na melhoria do conforto para o ser humano também, ajudando a diminuir a incidência de problemas de saúde. Se bem conduzido o sistema, mesmo em pequenas áreas, pode gerar renda direta, através da venda de artesanato ou de frutas, mudas e sementes, e renda indireta através do fornecimento de alimentos, remédios e outros benefícios que custariam dinheiro para obter no mercado.



Quintal Agroflorestal Urbano:
Tradição Ameaçada


Qual o desenvolvimento que se quer? Ao apoiar de fato a prática do manejo agroflorestal dos espaços públicos e privados, inclusive em áreas urbanas, os governos estariam diminuindo diversos problemas de uso da terra. Se fossem cadastrados e apoiados, os cidadãos que já praticam este uso da terra se tornariam imediatamente referencias dentro de suas comunidades tanto em termos de proteção dos recursos naturais quanto em termos de conhecimentos de técnicas e acessos genéticos sem preço para a sociedade do futuro. Tudo isso de maneira comprometida em todas as escalas de tempo, seja a curto prazo, seja a logo prazo. Ou seja, um quintal agroflorestal deve ser algo estimulado, visitado pelas escolas e turistas, valorizado. Os serviços ambientais como estocagem e seqüestro de carbono, suporte à vida, e absorção e retenção de água deveriam ser estimados, reconhecidos e apoiados através de incentivos fiscais e outros mecanismos.

Estacionamento Sustentável?

Apesar de em muitos lugares e situações, muito neste sentido estar acontecendo, através de iniciativas como esta aqui representada, a correnteza contrária é muito mais veloz. Cada vez mais pessoas acabam sucumbindo ao imediatismo, tanto de maneira espontânea quanto de maneira forçada. O caso aqui mostrado é emblemático, transformar um quintal agroflorestal urbano em estacionamento não é complicado apenas por liberar o CO2 todo acumulado e desperdiçar todo o potencial de serviços ambientais e econômicos diretos e indiretos. Mais do que isso, simboliza uma opção social voltada para o insustentável, para uma cidade e sociedade baseada no consumo, com deficiência do poder público (afinal, á cidade deve se adequar ao carro ou o carro deve se submeter à cidade?) e despreocupada com o verdadeiro bem estar.
Por favor reflita sobre este assunto. E se quiser ajudar o nosso trabalho ou quiser que a compensação do carbono do seu cotidiano ajude a fortalecer quem quer fazer agrofloresta para viver, entre em contato@ipesa.org.br.

6 comentários:

  1. muito bom o texto! muito boas as fotos!

    ResponderExcluir
  2. pior, as árvores que foram derrubadas seriam justamente as responsáveis por capturar o CO2 emitido pelos mesmos carros agora estacionados.

    ResponderExcluir
  3. Islandia derruba governo e impõe autogestão participativa. Midia silencia
    .
    http://caroldaemon.blogspot.com/2011/03/quando-islandia-reinventou-democracia.html

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Sigo seu blog e já "papeamos" algumas vezes.

    Meu blog está concorrendo ao TOPBLOG 2011 na categoria sustentabilidade.
    Conto com seu voto.
    Para visitar o blog:
    http://caroldaemon.blogspot.com/

    Para votar, visite o link abaixo e confirme sua escolha:
    http://www.topblog.com.br/2011/index.php?pg=busca&c_b=19130455

    Perdoe entrar aqui e deixar a mensagem, não encontrei email de contato.

    Um grande abraço,
    Carolina

    ResponderExcluir

Agroflorestação parteII

Agroflorestação: parteIII

Agroflorestação: parte IV